terça-feira, julho 03, 2012

Quando for adulto, sei que não quero ser...Enfermeiro

Chamo-me André e tenho 13anos. Já pensei em fazer muitas coisas, quando chegar a idade adulta. Pensei em muitas profissões e até numa peça de teatro fiz de bombeiro e de polícia, nessa altura, fiquei indeciso entre as duas profissões. Mas ainda não me decidi por uma... Há muitas coisas que eu gosto de fazer e como sou bom aluno a várias disciplinas, fico ainda mais confuso. Podem pensar que podia seguir a profissão de alguém que eu admiro... E nisso, eu também já reflecti... Contudo essa reflexão só me trouxe uma certeza, a certeza do que não quero ser, quando for grande. Sabem... os meus pais são enfermeiros. Falam-me do seu trabalho com orgulho, falam-me dos dias mais felizes e dos dias mais tristes... Até já me tentaram convencer a optar pelo seu caminho... Mas eu, hoje, sei que concerteza, não vou ser enfermeiro! Pelos dias, em que falo com o meu pai e vejo o seu olhar fixo em mim, mas com o pensamento esquecido num quarto de hospital; Pelas folgas, cuidadosamente planeadas comigo e interrompidas por uma chamada urgente; Pelos dias de sol perdidos a dormir, após um turno da noite complicado; Pelas festas de Nata da escola, em que nunca tive presentes os dois! Faltava sempre um... Pelas noites em que adormecia com a minha mãe e acordava com o meu pai a sorrir para mim, antes de desmaiar de sono ao meu lado... Pelas despedidas apressadas... Pelas festas de aniversário, feitas à pressa... Entre o turno de um e o do outro... Tenho orgulho nos meus pais e na profissão que têm, mas ontem percebi, nos noticiários, que querem pagar aos enfermeiros, menos do que o salário mínimo nacional, que eu pensava ser para as profissões em que não tinha de se estudar muito... A minha mãe disse que paga mais à D. Maria, a srª a quem a minha mãe paga para cuidar da casa e de mim quando os meus pais estão a trabalhar. O que será que os enfermeiros fizeram de mal, para os colocarem de castigo? Será que estudaram pouco e tiraram más notas? Será que trabalham pouco? Será que não se dedicam, o suficiente? Será que os meus pais também vão ser castigados? Se os meus pais forem castigados também, vou ter de ir viver para casa dos meus avós, porque os meus pais não vão conseguir pagar as despesas... E a D. Maria também vai ficar sem trabalho... Vou ter de mudar de escola? Estou mesmo muito preocupado! Por tudo o que os meus pais deixaram de viver, por serem enfermeiros e porque as pessoas que mandam em Portugal não percebem o valor dos enfermeiros, eu tenho a certeza que... Quando for grande... Não quero ser enfermeiro!”

36 comentários:

  1. Muito bem escrito. Sou enfermeira de facto é isto que se passa. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  2. É esta a realidade da vida pessoal dos Enfermeiros no nosso país. Somos Enfermeiros em todas as horas do dia e ninguém nos dá valor. Somos Enfermeiros por e para Todos e Cada Um e somos mal tratados...
    Muito, mas muito bem escrito! Levo emprestado ;) (espero que não se importe!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que não me importo e agradeço! Darmos visibilidade ao que é o nosso dia-a-dia torna-nos mais humanos e faz com que os outros reflictam sobre como é estar no nosso lugar! Afinal somos todos humanos, mas ás vezes parece que uns são mais humanos que outros.

      Excluir
  3. Enfim6:18 PM

    Fala a sério... Estuda-se muito para tirar enfermagem? O problema começa porque há vagas a mais, porque a cada 100 que entram saem 100 (estuda-se muito...), porque durante anos se "deu mais do que se tinha"... É óbvio que nem 8 nem 80, mas... A isto acrescento: Se não gostam do que o patrão (estado) vos paga, porque não procuram outro empregador???? Ou o estado tem de dar emprego a toda a gente pelos valores que querem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo8:40 AM

      O sr., ao que parece não sabe do que fala, se se estudo muito ou não, não será relevante a esta discussão. Trata-se de um trabalho qualificado que deve ser remunerado como tal. Enfermagem é uma licenciatura e os enfermeiros têm um trabalho que exige um vasto conhecimento para garantir o melhor ao utente em qualquer fase, de saúde ou de doença. Apenas se pede igualdade. Se os licenciados têm um valor de remuneração tabelado, o estado deverá ser o primeiro a cumpri-lo. Acha preferível que o dinheiro do contribuinte sirva para enriquecer empresas de outsourcing e que, consequentemente, hajam trabalhadores qualificados a receber 4 euros sobre os quais ainda recaem impostos? Não sei se será justo perguntar porque as pessoas não se despedem quando estas pedem igualdade de direito, apenas.

      Excluir
    2. O Sr. Anónimo respondeu por mim ao Sr.Enfim. Penso que não é português, ou então conhecia bem a realidade de que se fala! O Estado deve servir de exemplo para as entidades privadas! E, como tal, deve ser exemplar no cumprimento das tabelas salariais reguladas por lei!

      Excluir
    3. Anônimo4:05 PM

      Triste realidade. Ainda bem que há jovens que compreendem aquilo que se vive hoje em dia neste país.
      Sr. Enfim diga-me, acha bem que se pague menos que o ordenado mínimo a pessoas com profissões de risco e que de facto exigem um árduo esforço físico e intelectual (falo por experiência própria) mas que, a pessoas que nada fazem da vida, se pague para ficar em casa (esse dito rendimento mínimo)? De facto há quem realmente necessite mas a grande maioria quando tem uma hipótese de arranjar trabalho recusa pois prefere receber para não fazer nada… Tem toda a razão não devem pagar o que cada um quer mas se esses que nada fazem, ao fim do mês, acabam a receber mais do que os trabalhadores então desculpe mas tem mesmo de se ODIAR o “patrão”.

      Excluir
    4. Anônimo10:42 PM

      É de facto lamentavel falarem sem conhecimento de causa, tanto do que é ser enfermeiro e da sua competencia como da realidade da profissao. Ainda que pouco relevante para o assunto, como projeto de enfermeira, so me resta dizer que enfermagem para alem de ter uma beleza que nos apaixona e extremamente trabalhoso e tal como para qualquer outra licenciatura, estuda-se sim, estuda-se muito e é isso que nos distingue de muitas outras profissoes!

      Excluir
    5. Um reconhecimento pelos Enfermeiros Portugueses11:23 AM

      És como um esteio.

      E mais não digo.

      Excluir
    6. Ao Sr ou Sra Enfim, é melhor eu desejar que nunca calhe num hospital... Nem à sua família.. Mas se calhar por lá, desejava mesmo que não tivesse enfermeiro... Só por 24h vá.... Parecendo que não, é muito tempo até... Pois morre-se em segundos... Quem evita essas mortes, sabe quem é????
      Pois meu caro ser humano, pra si só tenho uma palavra... "ENFIM"...

      Excluir
    7. Enfim!!!! Só se apercebe bem do que vale um enfermeiro uma pessoa que estiver doente, muito doente. Muito doente da cabeça é já o que o ...Enfim... é. Doente da cabeça e inculto....
      Eu desejo-lhe mesmo assim... do fundo do coração que o senhor, nunca fique doente. Nenhum enfermeiro merece tal personagem.....

      Excluir
    8. Sr Enfim... Enfim! Nota-se que não sabe do que fala... Entram 100 mas NÃO saiem 100 não! Muitos ficam pelo caminho, porque chumbam consecutivamente a determinadas disciplinas que não poderão ir à estágio sem as realizarem, chumbam a estágios ou porque DESISTEM!!! É sabe...muitos desistem porque como você pensam que é fácil e não se estuda! E não se estuda só durante o curso... Estuda-se todo o resto da vida enquanto for Enfermeiro!Em casa, em pós-graduacões, em especialidades, mestrados, doutoramentos, cursos, cursinhos e cursões, a maioria pagos do nosso bolso e obrigatórios! Mais uma vez... Enfim para si e para outros que a enfermagem lhes dá comichão...

      Excluir
    9. Anônimo12:36 PM

      Eu vou ter que opinar! Sou estudante de enfermagem e sim, sua besta, estuda-se muito!
      Pensas que para cuidar de ti um dia ou para cuidar dos teus não é preciso estudar? Então pois bem, espero que um dia, quando estiveres no hospital, te calhe um enfermeiro num mau dia e aí sim, vais retirar tudo o que disseste.
      Tem vergonha na cara e pensa antes de falar!!

      Excluir
    10. A pobreza intelectual é de facto a forma mais triste de miséria...enfim!

      Excluir
    11. Muito despropositado este seu comentário. ENFIM !!! Espero que nunca venha a precisar de cuidados de enfermagem ou que nunca venha a receber os mesmos por alguém não qualificado para tal !!! É preciso ser muito pré-histórico para fazer o comentário que fez e parece não saber que os enfermeiros ganhar menos à hora do que uma empregada da limpeza (com todo o respeito que estas senhoras me merecem).

      Excluir
    12. Anônimo5:22 PM

      Claro que o enfermeiro não estuda! Afinal, anda na faculdade a passear, certo? Nem sequer trabalham no duro antes de terminar o curso, pois não? Pois é, caro sr. Enfim, digo lhe que sou estudante de enfermagem e que já trabalhei muito estando no 3° ano! Ja cuidei de muita gente e sei que fiz diferença na vida de muitos deles! Ahhh, e nos nao recebemos! Sei que estando em estagio estudamos mais do que em qualquer banco de faculdade! Caro amigo Enfim, ser estudante de enfermagem e duro, ser enfermeiro e duro e ser Enfim, é ser estupido! Cada enfermeiro gosta muito do que faz, mas de certo terá de ser remunerado pelo trabalho que realiza como qualquer profissional! Afinal, sr. Enfim, quem cuidará de si e dos seus quando todos os enfermeiros se despedirem por falta de condiçoes? Espero que seja alguem tao pouco qualificado que o senhor deseje que os enfermeiros sejam os mais bem pagos do pais! E nao, sr. Enfim, nao e dinheiro por dinheiro, é RECONHECIMENTO.
      Sr. Enfim... Esconda-se atrás desse computador ou telemovel, secalhar o sr. desses 300 foi o 301 que não entrou neste magnifico curso de que tanto nos deviamos orgulhar!
      Informe-se antes de dizer coisas parvas.
      Atenciosamente,
      H.

      Excluir
    13. Toda a gente ralha e ninguém tem razão .... afinal está tudo mal ! Quando o menino perceber que apesar de tudo há profissões bem piores , talvez opte por mudar de ideias .

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. que querido, realmente ser enfermeiro é isto.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo12:05 PM

    Devo dizer que apesar de não ser enfermeiro namoro com uma enfermeira o que me faz compreender algumas das "questões" levantadas pelo "André", no entanto e já que este espaço de comentário me permite, deixo uma opinião critica que não pretende de forma alguma ser ofensiva.

    Reforçando, sinceramente, espero que não se ofenda, mas acho o texto um pouco lamechas e demasiado vitimizado, não pelo conteúdo (ou pela verdade deste) mas pela forma ("olhar perdido num quarto de hospital", "festas de aniversário e escola", a "D. Maria", "o castigo", etc). É importante referir que muitas destas questões, que eu considero lamechas são comuns a muitos dos filhos de pais trabalhadores (independente do oficio).

    Sem dúvida que o vosso trabalho é difícil, que são altamente qualificados e a larga maioria de vós vocacionados (porque de outra forma seria impossível ser enfermeiro), que os horários são difíceis de conciliar com os demais, mas tudo isto são situações naturais do vosso oficio, do oficio que escolheram, tem sido assim e sempre será.

    Verdade também que têm toda a razão em se sentir desvalorizados porque os vossos horários estão altamente e desumanamente sobrecarregados e o vosso salário, para além de não corresponder ao peso, dificuldade, número de horas e responsabilidade do vosso trabalho, ainda está a ser reduzido (ilegalmente na minha opinião) para valores abaixo de qualquer trabalho qualificado.

    Acho que a vossa principal dificuldade na luta pelos vossos direitos (que os têm) é não terem a opinião publica do vosso lado, desta forma não conseguem fazer pressão social e politica (para perceber o porquê disto basta pensarmos na resposta do Ministro da saúde sobre a exaustão dos enfermeiros) e isto deve-se à ignorância dos outros (nós que não somos enfermeiros) que também passamos por dificuldades e não temos noção das vossas serem diferentes das nossas, mas também (e muito na minha opinião) à irresponsabilidade de alguns (muitos) dos vossos colegas que no passado, durante anos, acumulavam empregos fazendo largas horas extraordinárias com horários sobrecarregados (muitas vezes ilegalmente) para acumular salários. Hoje, de facto, têm os mesmos horários sobrecarregados (ilegalmente) mas são pagos miseravelmente.
    No entanto estes excessos do passado toldaram a opinião da generalidade das pessoas humanos que a maior parte das vezes não vemos mais que o nosso próprio umbigo.

    Dito isto reforço que não creio que textos nesta "forma", escritos e direccionados para os enfermeiros (apenas vocês se revém no peso das palavras) ajude a vossa "causa". Talvez um pouco mais de objectividade de forma a demonstrar a injustiça que diariamente (sobre)vivem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo8:42 AM

      Sou enfermeira e concordo plenamente com a sua opinião...a vida e difícil em muitas profissões, vitimizar não é solução...e necessária objectividade e coerência entre o que defendemos e o que fazemos no dia-a-dia.

      Excluir
    2. Sr Anónimo:
      Não é a NOSSA causa... é a VOSSA causa. É a causa de todos os que precisarão de um Enfermeiro no futuro seja em que circunstâncias for... e olhe que há grandes probabilidades de mais cedo ou mais tarde precisarem de um.... sem dúvida....

      Excluir
    3. Anônimo7:03 PM

      Sou Enfermeira e concordo com a sua analise. Esse é um dos problemas dos Enfermeiros. Vitimizam-se e nao unem esforcos consertadamente. Para si bem haja e obrigada pela reflexão.

      Excluir
  7. Anônimo8:21 AM

    Está fantástico! A Enfermagem em Portugal só precisa do seguinte: uma mão "dura" de um Bastonário...Sim...quando um dia tivermos um Bastonário e NAO um "fantasma" agarrado a um poleiro/cargo...a partir do momento em que tivermos um Bastonário que dite as regras com pulso firme, bata na mesa com uma posição completamente certa e definida desde as FUNÇÕES de Enfermeiro e até onde vai a autonomia de Enfermagem...a profissão começa a mudar e a aumentar a valorização dada por outros...até lá...será sempre a profissão do "desenrasque" dos outros!!e nunca valorizada nem paga como deve ser...mas não..temos uma ORDEM que apenas sabe receber cotas...e o barco lá vai andando...e afundando cada vez mais!!!! Está na hora de mudar...mudar de quem anda apenas com "tachos" nas escolhas de enfermagem a dar aulas (deveria ser obrigatório exercer para pelo menos ter noção da realidade...) até aos colegas mais "velhinhos"...que se vendem por uns trocados a mais no ordenado...e até ao Bastonário!!

    ResponderExcluir
  8. Anônimo11:05 PM

    Eu que sou Enfermeira, que me apaixonei pelo curso que afirmo difícil (sei porque fiz uma licenciatura em Engenharia antes), que vivi apaixonada pela profissão os primeiros doze anos, vivo agora o desencanto de ser cada vez mais mal paga, trabalhar mais, com menos gratificação emocional e reconhecimento profissional e social. Fiz especialidade, mestrado..., como forma de me manter atualizada e por sentir que quando estou a estudar me estou a reapaixonar pelo meu trabalho, mas no combate do dia a dia, a exaustão leva a melhor.
    E ^NÃO, NÃO QUERO que nenhum dos meus dois filhos seja Enfermeiro. É a única profissão que os vou dissuadir de escolher. Isto não é ser lamechas, é uma vivência.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo10:45 PM

    Concordo plenamente com a palavras citadas quanto à imagem que durante anos foi transparecida pelo acumulo de horas feitas pelos enfermeiros. Sem duvida que contribuíram para esta visão distorcida da maioria das pessoas.
    Porém é fundamental pensarmos que desde sempre houve falta de enfermeiros em Portugal (quando entrei na faculdade anunciavam ser a profissão e futuro e ainda bem pois era o que eu queria mesmo fazer- Ser enfermeira), daí a necessidade de duplicar turnos.
    Acho o texto demasiado trabalhado mas entendo a mensagem e concordo com esta.
    Como enfermeira e ao lidar com varias pessoas ao longo do dia, penso muitas vezes que há pessoas que têm menos qualidade de vida que eu e que não gostaria de fazer determinados trabalhos, muitos dos quais os nossos pais ou familiares tiveram que fazer. Contudo mesmo colocando-me no lugar dessas pessoas, a revolta invade-me (já não falando do ordenado, que para mim e trabalho no privado é uma anedota) quando alguém me diz " Os enfermeiros ganham bem!" - Gostava muitas vezes ganhar o que essas pessoas ganham; ou " Para enfermagem não é preciso estudar" ou até mesmo chamarem-me de enfermeirinha como imagem de uma profissao fraca que nem é preciso licenciatura (afinal de contas o que é custa dar uma injeção? - pensam eles)
    Em todas as profissoes devemos ser respeitados, seja a D.ª Maria ou ou Sr. Engenheiro, mas por favor respeitem -nos também e não nos tratem como uma classe não letrada e que se queixa por nada, pois a maioria dos que nos apontam o dedo não sabem da realidade, pois infelizmente não somos unidos, nao temos uma ordem ou sindicato à altura para defender os nossos interesses e que seja a nossa voz.
    Um dia talvez escolha outra profissão, mas o meu âmago será sempre o de Enfermeira.

    ResponderExcluir
  10. Não costumo seguir este blogue, mas por coincidência vim aqui parar, e ainda bem. Fui excelente aluna e continuo a ser extraordinariamente inteligente. Em tempos optei sim com consciência pela profissão de enfermagem. Tem sido uma batalha, muitas lagirmas, frustração mas tudo vencido com muito empenho e amor. Não consegui deixar de ficar indiferente às palavras do sr enfim, mas eu aposto que deve ser um cavalo que conseguiu clicar aleatoriamente no teclado do telemóvel. Peço desculpa aos cavalos porque respeito todas as criaturas, apenas não sei qualificar que espécie de pessoa diz semelhantes agruras.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Sabes rapaz, fui estudante de enfermagem nos últimos dois anos e precisamente por tudo o que referes nesta reflexão decidi repensar na minha escolha.. Estagiei um semestre num hospital e comprovei que há falta de enfermeiros mas nada se faz para preencher o que falta, como por exemplo dar lugar a quem finaliza o ccurso de enfermagem.. Infelizmente a maioria de nós ou vai receber recibos verdes fazendo horas aqui e acolá e a receber como alguém que não passou 16 anos a estudar ou então da por si no desemprego.. As pessoas não valorizam o papel do enfermeiro e isso entristece quem trabalha na área.. Às vezes principalmente na área da saúde há que assumir que a escolha pode não ter sido a certa e mais vale mudar, pois quem trabalha na área da saúde está na realidade a trabalhar com pessoas e não com objetos.. Parabéns pelo teu texto, retrata na perfeição a triste realidade que a profissão passa neste país

    ResponderExcluir
  13. Anônimo12:26 PM

    Não há paciencia para a vitimizaçao. Fazer turnos, cuidar de pessoas, lidar com situaçoes dificeis , faz parte da profissao. Cada enfermeiro é enfermeiro porque fez uma escolha. Nao sao herois, nao sao especiais, sao Enfermeiros! Com tudo o que isso significa. É lamentavel que a enfermagem nao seja reconhecida como uma profissao de risco, é lamentavel que nao seja bem paga, é lamentável que nao haja mais respeito por esta profissao tanto por parte da populaçao como de quem chefia. Mas culpar a populaçao e a chefia nao é soluçao, fazer-se de vitima tambem nao. Hospitais, centros de saude, a populaçao, ninguem vive sem enfermeiros! O poder esta na maos dos enfermeiros. Enquanto nao perceberem isso e aceitarem más condiçoes de trabalho, enquanto se rebaixarem, enquanto nao fizerem greves que façam parar a saude do país por tempo indeterminado e nao por 1 ou 2 dias, vai tudo continuar igual. Sou enfermeira ha 13 anos e gostaria que as coisas fossem diferentes, acho que isso depende de muitas coisas, mas também de nós.

    ResponderExcluir
  14. É triste quando uma criança consegue ver a realidade melhor que muitos adultos! Sou estudante de enfermagem e em momento algum me arrependo do curso que escolhi, pois ser enfermeira é uma das profissões mais bonitas do mundo. Só é pena muitas das vezes os enfermeiros não serem reconhecidos e serem tão mal tratados. Porque a vida pessoal é posta de lado para salvar outras vidas e quase ninguém dá valor a isso. A saúde portuguesa necessita de facto de uma mudança radical, pois estamos a deixar escapar os melhores enfermeiros do mundo para fora de Portugal, tudo porque cá não tem as condições de que necessitam. É sem dúvida preciso agir e fazer a diferença neste país. Porque ser enfermeiro é uma vocação e não apenas uma profissão!

    ResponderExcluir
  15. Alguém tem de dizer ao "André" que os Polícias e os Bombeiros (e tantos outros profissionais) também faltam às festas da escola dos filhos, aos Natais e aniversários, também dormem de dia quando o sol brilha lá fora e se o barulhento do vizinho deixar, também são mal pagos, correm risco de vida diariamente e sofrem muito por estarem ausentes na vida familiar... O "André" tem de perceber que independentemente da profissão que escolher, o importante é fazer o que gosta e lutar todos os dias para fazer o seu melhor como pessoa.

    ResponderExcluir
  16. Vou-te contar um segredo. Mas não contes a ninguem!!! Quando for grande não quero ser contabilista. Somos escravos do estado, temos prazos apertadissimos para cumprir. Se falharmos temos coimas elevadissimas para pagar. Não querem saber se estamos doentes, se os sistemas informaticos funcionam. Há prazos e ponto final.
    Sabes, de janeiro a junho é sempre a correr. Dias. noites e fins de semana. Chego a colocar o despertador para as 4 da manha para conseguir enviar os IRS´s durante a noite, porque nessas horas o sistema não é tão lento.
    E os agradecimentos por parte dos cliente, muitas vezes são..... "vou mudar de contabilista pq o seu vizinho faz muito mais barato"
    A minha filha, que agora tem 18 anos e por acaso estuda enfermagem, sempre me disse que nunca queria ter a profissão da mãe. "Ela farta-se de trabalhar" Eu sei e ela sabe o que a espera. Tambem sei que se quisesse ser bombeira (como dizia quando era pequenina) ou policia as dificuldades seriam as mesma.
    É triste, eu sei, mas de momento não me ocorre nenhuma profissão em que não haja descontentamento ou exploraçao

    ResponderExcluir
  17. Na minha opinião ser enfermeiro não deve ser uma escolha mas sim uma vocação, eu estive 3 meses em média 7 horas por dia a acompanhar o meu pai e infelizmente ou felizmente vi muita coisa, vi enfermeiros que pareciam Anjos para os doentes vi enfermeiros frustrados, de mal com a vida...realmente ser enfermeiro num hospital não deve ser nada fácil...mas os doentes não têm culpa...ser enfermeiro é estar de corpo e alma entregue à sua missão, uma falha pode levar à morte infelizmente sei o que isso é, :(....para alguns enfermeiros não há valor que pague a sua dedicação a sua entrega a sua luta diária pelo bem estar dos paciente, já outros nunca deveriam ter queimado os neurónios no curso, porque podem ter estudado muito mas não vale de nada, só carregam frustração dentro deles...no entanto são os que mais reclamam....Um bem haja a todos os enfermeiros que amam o que fazem, que sentem a sua missão.

    ResponderExcluir